Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

domingo, 30 de agosto de 2009

Porquê Michael Jackson é O CARA


Disse É e não ERA, pois não haverá outro.

Hoje em dia é comum (e enjoativo) ver os 18.675 astros e divas do rap/R&B/Black music/soul/funk (saca, aquele estilo que todo mundo acaba generalizando como hip hop). Mas não vou entrar no mérito de denominações, pois está tudo muito mesclado e não sabemos onde um começa e outro termina. Tô falando de talento descoberto e não adestrado pra ser vendido (mesmo que ele tenha iniciado a sucessão de fatos e eventos que tenha inspirado o modelo atual)

Voltando à vaca fria, Michael Jackson foi quem criou todo um universo e ditou padrões que são referências para muitos até hoje (contratos publicitários, vídeo clips com historinhas – e põe historinhas nisso! – a figura do mega star dançando a mesma coreografia que os milhares de “figurantes” e tals). E embora o que sobrou tenha sido só um monte de megalomaníacos mimados ardentes e sensuais – com cara de “sou o picão da parada” – é importante frisar que havia um diferencial tão simples quanto importante: a música e o artista.

Pode parecer vago, mas você aguardava seus clips e shows porque sabia que nunca seria um show e ponto, seria uma mega produção com todo cuidado desde efeitos especiais até a música em si (coreografias, letras, melodias, etc). Era como saborear os momentos que antecedem uma festa. “O que será que vai ter de novo nisso?” “Qual vai ser a próxima que ele vai aprontar?”. Não quero ser chato, mas a gente vê seus sucessores e já sabe exatamente o que eles vão fazer. Só serve pra fãs... Michael conseguiu ultrapassar essa barreira e até não fãs conseguiam enxergar seus feitos.

Excentricidades à parte, havia uma coisa de o artista ter a oferecer ao público muito mais que só música... ele oferecia sua alma em forma de arte.

UIA! Santa poesia, Bátima!

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Chips (não Ruffles) de resgate e os duendes


É, meu caro garcianauta (hein!?), apelei para o uso deste espaço para comentários sobre problemas de consumidor. Mas, ao invés de entrar naquele papo emo de “isso é Brasil”, “só podia ser aqui”, “eles não se importam conosco” e blá, blá, blá, vou simplesmente explicar como você pode começar uma busca por um chip de resgate da operadora OI e terminar em algo que fica entre o santo graal e um show do grupo RBD.

A história começa com a perda/furto de um chip da referida operadora de telefonia móvel (no caso da OI, fixa, internet banda-larga, NASA e Via Láctea). Acontecido o drama, resta a ligação constrangedora para solicitar o bloqueio do número pra nenhum coió usar o que pertence a outrem. Disse constrangedora porque ficar conversando com aquela gravação idiota até cair num atendente de verdade é um saco dos grandes.

Pois bem, liguei e bloqueei o número e fui informado do trâmite pra recuperar através de um chip de resgate. Fiquei feliz, contente e pimpão e fui a uma loja procurar o tal dispositivo. E descobri que o pequeno danado é uma coisa rara. Eu achei que era simples como achar chips pré-pagos em bancas de jornais ou ex-BBB’s em capas de revistas masculinas e tals... puro engano, pra não dizer uma ingenuidade irritante, afinal chips desse tipo não são bem sucedidas cantoras de axé nem Marcelo D2 pra estarem em todo lugar. Deve ser mais comum ver o abominável homem das neves dançando a Macarena em Madureira (O.o).

O bichinho é uma verdadeira raridade no universo. Deve ser mais fácil achar kriptonita amarela dentro de uma caixa de bombons. Já fui algumas dezenas de vezes a diferentes lojas e a resposta é seeeempre a mesma “Não tem/acabou, mas vai chegar daqui a dois dias”. Aliás, minto, numa dessas investidas (comparáveis a cabeçadas para abrir uma porta de chumbo trancada) aconteceu uma inovação: “Tem sim! É pra você mesmo? Vamos lá ... Ih, tem como voltar mais tarde? O sistema tá fora do ar”. (não precisa prender o riso, a coisa é ridícula mesmo).

Resultado? Estou com número novo e quase desistindo de recuperar o antigo (que já foi divulgado para tantos que valeria a pena ter denovo). Mais fácil jogar copas fora em dupla com Papai Noel, Saci Pererê e aquele duende que sempre rouba seus isqueiros e guarda-chuvas. Na verdade, pra arrumar o talzinho, acho que o esquema tem de ser de um show do RBD ou de qualquer dessas bandas infanto-juvenis (cof emo cof). Acampar em frente a loja até chegarem os 0,0156 chips de resgate (só essa quantidade pra explicar o sumiço tão rápido das lojas). Catzo!


P.S.: Se você tinha meu número antigo, cuidado, pois alguém por aí pode ter tido acesso aos números que estavam no chip de memória do antigo aparelho e pra querer fazer palhaçada, tem gente que não se esforça.