Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Stallone e o maldito politicamente correto


Viu a repercussão do que Silvester Stallone falou sobre o Brasil? Ele disse que a gente aqui agradece por tudo com ‘obrigado, tome aqui um macaco’ e ainda ressaltou que, devido à violência precisou de trocentos seguranças. Além de poder explodir tudo à vontade, pois somos muito felizes e agradecidos com tudo e acostumados com a violência.

Teve um monte de gente falando que foi de mau gosto. Só digo isso: PARABÉNS, CAMPEÕES!!! Quando fazem piadas sobre argentinos, japoneses ou árabes vocês se acham muito puritanos, né? Nem vou tão longe, quando pessoas fazem piadas sobre estados ou cidades diferentes, também acham que são muito legais, né? Piada, gente, PIADA!!! Como podem fazer tanta piada sobre os outros e não aceitarem piadas sobre você?

É um absurdo. O brasileiro médio moralista não aceitou uma piada de humor negro quando viu que foi em sua direção. É aquele clássico - e patético - caso de “complexo de superioridade infantil”, onde o valentão perturba todo mundo, até ser desafiado por um dos alvos das piadas. Aí começam as reações no melhor estilo “Também não brinco mais!”. Consciência e maturidade, por favor! Cultura emo modo ON não dá!!!! O cara teve que pedir desculpas e explicar a piada..

O povo faz piadas sobre a própria desgraça, faz piada com as desgraças dos outros (exatamente TODOS os outros: EUAses, China, Japão, árabes, judeus, padres católicos, loiras...) e ninguém pode mexer com ele. Ego sensível demais pra um povo que ironiza tudo. Essa onda do politicamente correto é uma m*rda fumegante. Se atirarem bombas anti-recalcados esses politicamente corretos dos infernos serão nossa primeira linha de defesa.

Tenso, hein!

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Novo golpe (a longo prazo)



Escrevi no saogoncaloemfoco que acho segunda maior estupidez do mundo você pensar que ganhou prêmios porque te disseram, sendo que você não entrou em promoção alguma (a primeira coisa mais estúpida é chamar de rock, bandinhas coloridas e água-com-açúcar só porque seguram guitarras enquanto choramingam estridentes no seu ouvido).

Enfim, por e-mail também acontecem tentativas de golpes, e por e-mail também acontece gente burra que quer acreditar em qualquer mentira a seu favor.

Receba a mensagem acima, acredite e esteja pronto pra receber um e-mail meu dizendo "Parabéns, agora você figura na minha lista dos mais panacas de 2010 a 2014!".

Fala sério, olha o 'acontecerá' com Ç... carai!!!

domingo, 18 de julho de 2010

Existe fumante passivo?


O fumante tradicional é aquele que, estando com seu cigarrinho em mãos (ou em dedos, como preferir), puxa a fumaça e, numa seqüência de movimentos específicos com seu aparelho respiratório, “traga” a mesma e a devolve à atmosfera numa tentativa de sei lá o quê (relaxar, acordar ou passar o tempo... cada um tem sua desculpa).

Sendo assim, o que configura uma pessoa como fumante “passivo”?

Quem está perto do fumante em pleno exercício da função, não está executando (Rá! Que escolha de palavras) os tais movimentos específicos com seu aparelho respiratório. Logo, não está fumando. No máximo, está respirando as substâncias, mas de um jeito não específico (vale pra fumaça de incensos, escapamentos de automóveis, peidos, etc). Donde se conclui que NÃO EXISTE FUMANTE PASSIVO!!!

Ah, você discorda porque gosta do senso comum que se utiliza de termos pré-determinados pra fazer fumantes se sentirem culpados? Tudo bem. Não tenho mesmo a intenção de mudar o mundo (talvez dominá-lo, mas não agora).

Pensa bem:
Fumante ativo – Aquele que fuma o cigarro.
Fumante passivo – Aquele que é fumado pelo cigarro(?!)

Na boa, pra mim, usar o termo fumante passivo, só se for na reversal russa.

Aqui, você fuma o cigarro. Na União Soviética, o cigarro fuma VOCÊ!!

O.o

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Pé-frio como uma pedra rolante


Escrevi no "saogoncaloemfoco" que superstição é só um mecanismo de defesa da mente humana para se sentir segura diante da propriedade imprevisível de cada partida de futebol.

Não é de se admirar que as pessoas se apeguem ao mesmo vestuário, gestual e sei lá mais o quê para "garantirem" que tudo dará certo. É meio estúpido, se sentir culpado ou responsável pelo resultado de um jogo praticado a quilômetros de distância por pessoas que não dependem de você pra nada, mas tem lá seu sentido, pois se o povo acredita em políticos do tempo do ronca...

Agora, que superstição poderia nos livrar dele... "dele quem?" você pode perguntar, pequeno gafanhoto. Do senhor Jagger, eu digo, singelo garcianauta (!). Uma das lendas vivas da cultura pop (do período jurássico pra cá) derrubou cada seleção a que se atreveu torcer. Foi-se os EUAses, Inglaterra (peso dobrado, por ser sua seleção pátria) e Brasil. Pô, o cara tinha que torcer junto com seu filho brasileiro? Saco!

Mais uma vez, a Europa se curva SOBRE o Brasil. E... entre nós: Aposto que Mick Jagger soube da turnê This is it, de Michael Jackson, e disse "Vou estar no camarote na estreia!". Tenso, hein!

Sai pra lá, tomara que eu não tope com ele. Eta, Urubulino danado! Medo!

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Copa: Decepção ou superestima?


Sabe como é esquisito acompanhar copa do mundo, né? Não? Titio Garcia, exprica:

Primeiro de tudo: A seleção brasileira estava mais empolgante que deitar no chão e esperar a morte chegar. O problema é que a imprensa (sem #dungarecalcadofeelings) criou uma aura de "já que é copa, vamos enaltecer os nomes famosos e ganhar o público". Tanto carnaval em cima de nomes famosos que - em sua maioria - chegaram à copa contundidos - rendendo pouco mesmo - só serviu pra uma coisa: Começar a fazer festa em cima de nomes pouco conhecidos e times sem tradição ns copas. É o famoso caso de criar expectativas e passar a ideia de que houve decepção. Ao passo que, inversamente proporcional, valeu a surpresa com seleções "pequenas" fazendo bonito.

A partir daí, tenho duas considerações:

1 - Não adianta tentar dizer que o futebol mudou, que não há mais espaço para espetáculo ou que resultado é mais importante. Até concordo, mas time de futebol que joga de lado e não sabe reverter placar (aliás, desvantagem originada pelo próprio futebol pequeno da seleção) é coisa de time bobo. Dunga, algum problema?

2 - A segunda é que todo mundo (disse: TODO MUNDO)joga no mesmo nível. Um ou outro tem talento individual, mas não se pode também achar que os talentos estrangeiros são maravilhosos e os nacionais é que deixam a desejar. Por exemplo, babou-se tanto os bagos do Maradona e seu pimpolho-maravilha, e o que ele fez? Até o Shahalalalalalala, da África do Sul, fez gol e o "melhor do mundo" ficou no "ora, veja". Messi, o garoto-prodígio (Santo chucrute, BÁTIMA!).

O que me faz pensar...