Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

sábado, 14 de julho de 2012

Jovens E Os Relacionamentos Contemporâneos


Valeu pra aprender. O cara bucha que larga das amizades por causa de mulher, leva um chute e quer beber até afogar as mágoas. É esse tipo que acha que pode ensinar sobre o amor. Esse é meu sarcástico resumo de Valeu Pra Aprender. A música é animadinha, mas quando você não está na festinha e presta atenção na letra, só dá pra pensar assim: “(...) ficar ouvindo um bostinha de 20 anos dando aula de relacionamento (...)”. Trecho do Vlog do Fernando sobre relacionamentos. Aquele simpático e mordaz senhor que faz brilhantemente seus monólogos acerca dos assuntos cotidianos mais em voga (abaixo, o dito cujo).

Relacionamentos e o modo como o jovem se relaciona com seus... er... relacionamentos. Enfim, o trocadilho foi mais safado que modelo marombada dizer que sua profissão é 'personalidade do carnaval'. 

Falo de jovem, porque todos sabemos que, a despeito dos eventuais tiozões presentes ali, esses são ritmos da garotada. O sertanejo universitário (O.o), o funkeiro, o pagodeiro (não samba), o micareteiro, todos eles vivem como se estivessem num comercial de creme dental: Tem que beijar alguém pra sua vida fazer sentido. Quando a maturidade emocional é a mesma de um avestruz, estar solteiro vale como falha. Uma demonstração de que não é desejado ou que não é capaz de conquistar ninguém (talvez por isso, tanta gente namore, mas não deixa de sair pra pegação. Curtir a vida parece que se resume a beber e “pegar”, mas sem perder o status de “em um relacionamento”.

No mais, vivemos num mundo tão globalizado que o que se tem em comum nas diversas camadas da sociedade é a cachaça e o sexo. Você age como uma vadia e reclama que só encontra safado? Você sai com os amigos pra “mostrar quem manda” nas meninas e acha que é o máximo? Sério, vão se catar! 
Vejo uma garotada que cresceu no tamanho, mas ainda vive aquela realidade infantilóide de disputa entre meninos e meninas. Só que com sexo, bebida e música (?!) descartável de qualidade duvidosa na jogada.