Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Jesus do SBT: Trauma de infância?

Amigolhes sagatibanautas, te contemplem-vos e lhos reflitam-lhes!

O dia da semana era domingo, anos 80/90 e a imagem era essa:


Em seguida, vinha uma voz grave e cavernosa que dizia:

"Paz, amor, fé, esperança, luz e união não são apenas palavras.
Você tem certeza que já fez tudo que podia por seu semelhante?
Pense bem, pois um dia vamos nos encontrar e eu gostaria muito de chamá-lo de meu filho".

Pensando bem, não era à toa que a gente ouvia "menino, não faz m* senão Deus castiga!". Esses dizeres são quase isso! Faça o bem, se não, não sei se posso te receber no meu clube. Não que seja infundado, mas aquela voz fúnebre me fazia parar pra assistir, vai que eu mudo de canal e perco meu passaporte pra bater, bater, bater na porta do céu? Ele parecia muito sério falando. Eu me preocupava de verdade.

Jesus do SBT: Assustando criancinhas desde 1980 (acho). Se você não presenciou isso ou esqueceu, não tem problema! Titio Sagatiba te refresca a mente (não xinga!).

.

Lívia Andrade não quis aceitar Jesus

Este texto é uma peça humorística baseada em notícias. Não há qualquer compromisso com a verdade, tampouco intenção de ofender. Resumindo, trata-se de uma piada (não era pra eu ter que explicar, mas sempre tem um coió que não entende).

Ex-malandrinha e atual participante do Jogo dos Pontinhos do Programa Silvio Santos, Lívia Andrade, se nega a aceitar Jesus. Diz ela que o convite foi feito de forma grosseira e recusou qualquer oferta de vinho.

Jesus Luz - que andou envolvido de forma duvidosa com Madonna (não sua mãe) - havia convidado-a para uma festinha particular, convite que foi prontamente rechaçado pela bela e carnuda artista/empresária/gostosa.

Geniosa, ela foi orientada pelo SBT a não se envolver em escândalos, pois, fazendo parte do elenco da emissora, seu nome não poderia ser relacionado a fatos negativos. O fato é que Jesus, como a sabedoria popular já adiantava, não agradou a todos. A moça, não quis ser pega pra cristo e afirma que não quer saber de nenhuma possível volta de Jesus. Muito menos em breve. Procurado para qualquer declaração que apoie sua antiga assistente de palco, Sérgio Mallandro não foi encontrado, mas sua assessoria informou que ele deixou um recado: Ráááá!

Fonte: Terra.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

A beleza que se vê é relativa


O conto de fadas que mostra mesmo que o importante é encontrar quem te ame incondicionalmente é Shrek. Você conhece uma princesa e descobre que ela é do seu tipo e te aceita assim como você a aceita depois de se conhecerem.

A Bela e a Fera só mostra que não importa se você é um monstro, desde que tenha um castelo e objetos que cantam. Mulher não desiste fácil quando tem motivos pra lutar. Ela até passou a ver o cara bonitão depois. Rá!

Comercial ou Programação de TV?


Eu sou antiquado do tempo que o intervalo se chamava também 'comercial' (ou reclame, se você for realmente velho).
Hoje em dia - maldito CQC por popularizar esse formato - o comercial virou parte dos programas.
Você não espera mais o intervalo pra ver anúncios.
Agora, dentro do programa, você assiste vendas até o intervalo, quando vêm mais vendas.
Conteúdo que é bom, acabou. Virou uma distração entre um comercial e outro.

Me faz lembrar de uma passagem da Família Dinossauros, quando o Baby assiste a um anúncio de bonequinho de homem das cavernas e diz o clássico infantil 'eu quero!'. Sua mãe, Fran, ignora, mas o comercial continua por mais tempo e o bebêssauro insiste que quer o boneco. Aí, bacana, é quando surge o diálogo mais emblemático sobre o assunto:

Baby: Eu quero!
Fran: ...
Baby: Eu quero!
Fran: Quanto tempo dura esse comercial?
Baby: Não é comercial, é a programação infantil.

Senhoras e manolos, puxem isso para o patamar geral e temos a realidade da programação das mídias para todos os públicos. E a famosa série de dinossauros animados aconteceu em meados dos anos 1990, hein! Não aconteceu há 5 ou 10 anos, mas há uns 20. Então, fiquem com uma pequena seleção de comerciais, do tempo que eles se preocupavam em encantar, não só vender. Um lance que se aprende na faculdade, mas se esquece por causa do cliente exigente e apressado, é a sedução, o encanto pro comprador final se sentir na necessidade de adquirir. Pelo menos isso!


segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Emoções impulsivas: Não prometa, responda ou decida (?)

 As pessoas te orientam como viver bem sem criar problemas pra você mesmo.


Eu acho que faltou complementar pra uma parcela muito específica da sociedade:

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Cebolinha no Cinema

Cebolinha compra um combo com 4 pirulitos pra assistir a um filme de ação. Qual o nome do filme?

Lambo 4.


Maurício de Souza não quis comentar a piada ruim que eu fiz, mas fez uma declaração em público de que não se responsabiliza pelo retardo alheio só porque envolve personagens de sua obra.

Cebolinha e a Acelga

A vida imita a arte e a arte imita a... ficção? Em todo caso, é uma piada horrorosa e por isso que eu gosto.
Duas coisas que eu gosto muito: Piadas infames e metalinguagem. Quando tudo isso se junta, e logo na Turma da Mônica, é um sonho. Valeu 'Porra, Maurício!' por tudo o que fazem pela galerinha do Limoeiro. Rá!

E lembrem-se, crianças: Piada ruim é que é piada boa. 

Chinês processa esposa bonita que era feia

A mulher ficou bonita, mas plástica não passa por genes, né?
Resultado? Bebê feio, papai!
Em 29 de outubro passado, uma notícia me chamou à atenção pelos motivos mais bizarros do mundo e, o curioso, é que fez muito sentido ao final de tudo. Por mais absurdo que a situação seja.

O chinês Jian Feng processou sua esposa por ela tê-lo "enganado" com cirurgias plásticas pra ficar bonita. Mas calma que a questão não é tão simples. Jian se apaixonou pela esposa achando que sua beleza (a da esposa, não a sua, leitor convencido) era natural. Até que eles tiveram um bebê. Na opinião de Jian - e no argumento usado no processo - a criança era muito feia e sem semelhanças com ele ou com ela. Foi quando ele descobriu que a mulher havia passado por cirurgias plásticas.

Percebe o que aconteceu, bacana? Ele não parecia estar preocupado com a mulher ou mesmo com ele, já que olhar a foto dela antes é de dar alívio por não tê-la conhecido antes (seria um corta-gozo dos infernos). Acho que ele ficou bolado mesmo foi com o fato de a criança ter sofrido as "consequências". Imagina, criança feia e que não se parece com os pais? Filho do leiteiro! Mas, com certeza! Não perca o fio da meada, nossos filhos puxam nossas características genéticas, não alterações plásticas (isso explica porque não adianta você fazer chapinha a vida toda, pois seu filho ou filha vai sair com seus cabelo enrolado, rá!).

No fim das contas, Jian ficou com seu bebezinho feio e mais o equivalente a 245 mil reais, da indenização que ganhou. Será que ele vai usar a grana pra embelezar sua criancinha?

Fonte: G1

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Todo Desenho é pra Crianças?


The Simpsons e Family Guy não são desenhos animados. São séries animadas.
A diferença está na proposta, pois, ao passo que um desenho mira o público infanto-juvenil, uma série tem um sentido mais amplo, assim como o desenvolvimento de assuntos abordados.

O grande erro de uma emissora de TV, como as 'abertas' Globo e SBT foi exibí-las em horários "infantis", causando críticas de pais e responsáveis preocupados com violência, sexo e crítica social sendo abordados quase como de brincadeira. E é.

Mas não uma brincadeira de criança, e sim uma brincadeira de adulto chamada sarcasmo e outra chamada ironia. Não é à toa, que uma galera reclamava de Os Simpsons passar bem no horário do almoço, ao final da TV Globinho, por exemplo. Tá certo que a coisa passava toda editada, mas a gente nota o mal entendido já na dublagem engraçadinha, com gírias e modos de falar metidos a engraçadinhos infantilóides.

Já Family Guy, The Cleveland Show e The American Dad, por terem mais cenas "gratuitamente" violentas e muito mais nonsense do que os fofos amarelos de Springfield, não podem ser editados, prejudicaria demais a exibição. Resultado, jogaram-nas pro meio da madruga na TV aberta, pra não ter perigo de alguma criança olhar e pensar que por ter personagens desenhados, automaticamente é um conteúdo pra crianças.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Ateus, Religiosos e seus Corações


Conheço ateus benevolentes e religiosos recalcados.

Não é uma regra, mas acho de muito valor ver alguém ajudar o próximo sem ter fé no "além", pois demonstra quão grandioso é aquele coração independentemente. Imagina como uma mente pode ser esclarecida sem amarras. Admitamos, muita gente "acredita" no sobrenatural por puro medo do desconhecido vir e puxar sua perna durante a noite. Nem todos têm discernimento pra ter fé por acreditar que tudo acontece e a gente só precisa ter o melhor pensamento possível pra lidar com as coisas da vida sem achar que estamos sendo perseguidos ou beneficiados. Só vivendo.

Já os que se acham diferenciados, mas não passam de falsos moralistas, tenho algumas considerações a respeito. Quando se diz 'vigiai' não é a vida dos outros, é a própria vida, porque não adianta encherem o saco, o mundo não vai mudar, nem vai se tornar esse caldeirão infernal que você teima em pintar pra agregar mais fiéis assustados buscando uma falsa proteção no seu colo interesseiro, mesquinho e egoísta. Enquanto tem um monte de gente sem fé dando show, trabalhando, ajudando um irmão por pura bondade, sem interesse em entrar no reino prometido aos obedientes, tem um monte de recalcado que só se interessa em trazer mais arrecadações ao passo que difama com calúnias os de diferentes tipos de fé, ou mesmo os que alegam não ter nenhuma.

Digo duas coisas:
1º: Diferenciados por algum poder sobrenatural são os X-Men, vocês são gente como a gente, não estão acima, nem abaixo. (Não importa se vocês acham o contrário, é uma lei da natureza).

2º: Beijo nas crianças!

Quando Nem as Moscas Mudam

Antes, as moscas mudavam, mas ficava a mesma m*erda.
Hoje em dia nem isso muda.

Eduardo Paes foi subprefeito na gestão César Maia.
Cesar Maia é pai e aliado político de Rodrigo Maia.
Rodrigo Maia tinha Clarissa Garotinho como candidata a vice.
Clarissa Garotinho é filha de Anthony e Rosinha Garotinho.
Anthony e Rosinha Garotinho são adversários políticos de Eduardo Paes, assim como foi de César Maia.

Agora César Maia diz que Eduardo Paes é o prefeito que faz pracinha pra ganhar voto. Mas são cria um do outro.

E o vício das pessoas em votar neles como se esperassem que algo mudasse sem eles mesmos mudar seus votos.

Mas não me preocupo, sabe porquê? Porque com o parque no subúrbio a qualidade de vida melhorou em 100%. Isso até justifica taxas aumentando e o prefeito sorridente em eventos culturais sendo aclamado curiosamente pela mesma comunidade que ele trocou obras por votos. E tem o Cais também... Engarrafamento pra baixo da terra, ao invés de em cima.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Alçando Grandes Voos

"– Os vôos de grande altura pedem asas fortes."

Frase dita por Alfredo, orientador que ajuda André Luiz a conhecer mais da vida no mundo espiritual e os trabalhos edificantes da caridade. O contexto era o seguinte: Alfredo explicava a Alonso porque não deveria alimentar o desejo de retornar ao plano terrestre para rever seus entes queridos. Na explanação, o irmão mais evoluído leva o aprendiz a meditar sobre a decisão de voltar por saudades sem estar devidamente preparado em seu coração para se deparar com eventuais mudanças na Terra, ou, que seja, suportar ver os seus sofrendo sua ausência.

Ele já havia explicado que Deus nos separa de certas pessoas porque essas pessoas precisam aprender algo separadas que juntas, talvez não enxergassem, seja lá qual for o motivo. O que me leva a crer que essa seja uma máxima para tudo na vida, já que em nada podemos nos precipitar ou revoltar sem que se veja o lado bom da coisa. Se chegou o momento de terminar algo, aquilo vai voltar melhorado e mais valorizado no futuro, ou nunca mais voltar, se não for o que precisamos.

Confiemos, pois, pra se alçar grandes voos, é preciso ter asas bem fortes. Do contrário, a queda será inevitável, como sempre, mas o restabelecimento é que fica prejudicado. Há que se mensurar as consequências dos atos para não se arrepender de algo que estava na cara e foi ignorado.

Políticos ou Papai Noel?


Entra mandato, sai mandato, e eles estão ficando cada vez mais descarados... 
Ao passo que ficamos mais conscientes... e continuamos letárgicos. É quase uma lógica universal: Eles sempre cagam no segundo mandato. Porque continuamos votando no candidato que já está lá, ou que o atual nos empurra como a única solução? Não se percebeu que a propaganda é para eles mesmos? Não é a NOSSA vida que eles querem manter boa e melhorando. ACORDEM! Não está bom pra nós!

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Pessoas e as Fadas

A cidade não para, só cresce. E poderia ser chamada de brejo da cruz, já que há tanta gente que não sabemos de onde vêm e como sobrevivem. O que acontece: Tem pessoas demais nas cidades e pessoas de menos respeitando isso. Vivemos em sociedade há tanto tempo e ainda não aprendemos. Sempre o clássico egoísmo, o egocentrismo e a intolerância. Vivemos em tempos e lugares onde queremos muita compreensão, mas não oferecemos muito disso no reverso da medalha.

Pessoas que se acham tão injustiçadas, mas sempre acham justo o sofrimento alheio. Ou o contrário, achamos que só com a gente as coisas não vão bem. Isso não é só no nível psicológico, mas no sócio-antropológico mesmo. Porque criticar algo no próximo que nos é diferente ao invés de procurarmos semelhanças? A união não faz mais a força? Será que não existe algum objetivo em comum?

Existe um objetivo em comum, mas voltamos ao tal egoísmo que supracitei.Cada um quer de um jeito e cada um acha que é uma coisa. Tem gente que gostaria de salários mais justos, tem os que querem assistir novel ou futebol em horários que os permitam acordar cedo para o trabalho no dia seguinte. Há os que querem passar pela cidade sem ter que topar com algum ser sujo e inconveniente pelas ruas da cidade...

Pessoas parecem invisíveis para alguns. Invisíveis, mas não intangíveis. E quando se esbarram, esses mundos se chocam, alguém se fere, alguém morre. Alguém fica em choque. É a hora que alguém lembra que existem muitos mundos diferentes no planeta. Nessa hora, alguém reclama que a violência e a miséria estão dominando a cidade. Depois passa, vem o próximo show, novela, futebol, jogos olímpicos, Enem, etc.