Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Gal Gadot: A Mulher-Maravilha

 

Estou adorando Gal Gadot como a Mulher-Maravilha do atual cenário de filmes baseados em personagens dos quadrinhos. Acho que nenhuma outra atriz – depois de Linda Carter – me convenceu tanto como a heroína grega em live-action. Ela já está na minha preferência tanto quanto Christopher Reeve nos convenceu enquanto Superman ou Chris Evans como Capitão América (volto nesse tópico em outro post).


Claro, tudo é alegadamente questão de gosto e gostos são opiniões que construímos ou nos são empurradas pelos meios externos. Da mesma forma que pra um cidadão achar que cor de pele, textura de cabelos ou comprimento de roupas podem ser coisas certas ou erradas de acordo com o que foram acostumados a ver nas ruas, em convívios sociais, TV, revista e cinema, também há a contestação do que já é estabelecido como padrão de comportamento.

E o que quer dizer essa falação toda, Saga? Bem, gafanhoto, eu estou aqui falando de como Gal Gadot me convence como a Mulher-Maravilha. Busco ver num personagem aquilo que o personagem me oferece. Assim como não me importa se o Tocha Humana for preto, branco ou indiano – desde que ele seja um garotão fútil, mas de bom coração e princípios heróicos com poder de combustão – também não me importo que a Mulher-Maravilha seja uma jovem de biótipo mais esguio do que se espera de uma guerreira e vou dizer porquê no próximo parágrafo.

Assim como Reeve malhou, mas não pra ser um halterofilista, Gadot não precisa ser uma brutamontes do MMA para ser a princesa de Themyscira. Pensa só, por mais que Superman e Mulher-Maravilha trabalhem usando de muita força física, carregando aviões pelo ar (sem desequilibrar, hein, puxa!) ou detendo desabamentos, são personagens que já possuem uma força descomunal, o Super por causa de sua biologia kriptoniana e a Magavilhosa, por ser uma semi-deusa (tanto na versão antiga onde era um preparado do barro até a versão recente das HQs, onde é filha de Zeus com Hipólita, rainha das amazonas).


Estou dizendo que mesmo com todo o treinamento pesado que a princesa amazona precisa, sua natureza quase divina já lhe dá força sem precisar necessariamente partir de músculos bem trabalhados. Lembro que na minha vida nerd, já fantasiei (UIA!) vários personagens na pele de atores ou personalidades que achava mais a ver. E, falando de Diana, eu já imaginei algumas mulheres vivendo as aventuras dela e a mais cotada, se eu fosse produtor, seria Lucy Lawless, aproveitando o sucesso de Xena e o respeito que a atriz impunha como uma princesa guerreira. Mas eram outros tempos, pena que no auge da forma física de Lawless os filmes heróicos tenham sido uma bagunça (alô, Bátima e Róbiii!), além de eu adolescente, me deixando levar pelas trolhas dos anos ’90, onde formas e trabucos valiam mais que conteúdo.


Gadot tem aquele olhar incrível de uma mulher valente, poderosa (e empoderada) e ao mesmo tempo, é uma menina curtindo fazer o que gosta, lutando pelo que acredita. Fico muito feliz com a escolha da atriz e com o desempenho que está tendo. E lendo um pouco mais sobre ‘aquela atriz-modelo que conheci como quase uma figurante em Uma Noite Fora de Série’ (com Steve Carell e Tina Fey), é simplesmente A Mulher-Maravilha. Reúne a capacidade interpretativa, já foi miss, modelo e treinada pelo exército israelense. Tipo, cara, achar que ela não convence só porque não é a (já falecida) lutadora de WWF Chyna é ser muito superficial, além de quase pedir pra voltar aquele tempo em que a fidelidade visual importava mais que a essência dos personagens (sim, Homem-Aranha-deprê-e-sem-piada—metido-a-Superman-sem-capa, do Sam Raimi, estou apontando pra você agora).

 
Enfim, o que atraiu em Christopher Reeve é o que me atrai para Gal Gadot (hmm, maroto!), ou seja, é olhar para o artista caracterizado e ver aquilo que passou anos lendo nos gibis, aquela sensação de ‘caraca, acertaram em cheio!’. Desde a primeira aparição de Gal, em Batman VS Superman – aliás, ela foi a melhor sacada do filme – que eu gostei e não contestei nem por um segundo. Nem por ser esguia, nem por não ter exatamente os traços ‘mediterrâneos’ que uma mulher grega teria (ah, os estereótipos empurrados pra aceitação do senso comum do espectador), muito menos por sua atuação. Não é como Robert Downey Jr, que tornou Tony Stark em... Robert Downey Jr (sim, leia algo do Homem de Ferro antes de 2008, quando saiu o primeiro HdF pra ver como o personagem era).

Enfim, Mulher-Maravilha/Gal Gadot dá vontade de assistir a uma série diária com a personagem e essa pode influenciar a MM dos quadrinhos no que quiser a partir de agora. Não só porque eu seja fã da personagem, da sua concepção como modelo do que há de certo ou porque eu goste da ideia de uma mulher sendo a perfeita personificação da diplomacia e do poder de lutar pelo que é certo no mundo, mas porque a menina Gal passa tudo isso sem cair na muleta conveniente que muitos atores caem, apenas vestindo uma roupa espalhafatosa e repetindo bordões. 


Ela passa o que uma jovem princesa guerreira e semideusa com ideais de paz e igualdade precisa e não só belas cenas de ação ou - pior, se fosse o caso - apenas posições acrobáticas pra pagar calcinha. Ela é um ícone para meninas e nem por isso se torna um estereótipo de 'coisa de menininha' a ponto de espantar os meninos. E mostra como um ser incrivelmente forte não precisa de músculos quando tem a força de uma divindade mitológica olímpica. Parabéns aos envolvidos.    
  

Nenhum comentário: